Perda de memória pode se atenuar ou piorar com tecnologia

memoria

 

A memória é faculdade cognitiva fundamental à preservação e continuidade da vida. No entanto, alguns fatores tendem a ameaçá-la: uso de drogas, estresse, insônia e doenças psiquiátricas ou neurológicas, que podem interferir na capacidade de reter as memórias de curto e longo prazo.

É importante ressaltar que estes são apenas alguns dos hábitos que podem prejudicar ou influir na memória negativamente. Atualmente, a tecnologia também pode ser uma das vertentes, dependendo do modo e frequência de uso; smartphones, tablets, computadores e smartwatches são exemplos de como os avanços tecnológicos são capazes de conectar as pessoas em tempo integral e, por vezes, substituir o que antes era designado à nossa mente.

De acordo com a médica Jerusa Smid, secretária do Departamento Científico de Neurologia Cognitiva e do Envelhecimento da Academia Brasileira de Neurologia (ABN), esses dispositivos são utilizados como uma espécie de memória externa: “Percebemos em nosso cotidiano o quanto transferimos o papel de nossa memória aos incontáveis utensílios tecnológicos, de maneira que, se você não o possui, na hora que precisa, sente como se não fizesse o registro de algo da maneira que deveria”, afirma.

Apesar deste cenário, ainda é difícil precisar o quanto a tecnologia de fato interfere negativamente na memória dessa geração ou seu efeito nas gerações posteriores, a despeito das pesquisas já realizadas em torno do assunto.

Em oposição ao estigma de que a culpa é dos avanços tecnológicos, desenvolvedores de aplicativos e startups começam a investir em aplicativos e dispositivos que auxiliem no tratamento da perda de memória e até mesmo em seu treinamento.

Um modelo bem sucedido é o Lumosity, aplicativo que ganhou espaço em terapias, que conta com exercícios que envolvem aspectos da memória como concentração, velocidade de raciocínio e resolução de problemas.

“Por ser uma plataforma com uma certa acessibilidade, pode ser usado para esse fim. Em contrapartida, existem limitações principalmente aos mais idosos, a faixa etária que mais sofre com problemas relacionados à memória. Ou seja, é uma vantagem restrita, não está disponível à toda população”, observa Jerusa.

Diante disso, qualquer sinal de perda de memória anormal, acompanhada de outros sintomas, recomenda-se procurar um especialista para realização de exames neurológicos até chegar a um diagnóstico correto, seguido do melhor tratamento para evolução do prognóstico.

jundiainoticias.com.br

Be Sociable, Share!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *